Ele confia cegamente em nós?

Li a notícia do Bruno Garcez na Folha On-line desta semana e não resisti, tive que postá-la aqui. Só fica uma pergunta na minha cabeça: será que o povo é tão "juiz sábio" assim?

Tenho minhas dúvidas. De qualquer forma o presidente diz que confia plenamente nele (povo) e critica a imprensa brasileira, esquecendo que os jornalistas também estão inclusos neste conjunto de pessoas. Afinal, vivemos no mesmo país e estamos sujeitos as mesmas leis...

É, ele deveria confiar cegamente em nós também...

Em Nova York, Lula critica imprensa brasileira
por BRUNO GARCEZ - enviado especial da BBC Brasil a Nova York

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançou farpas contra a imprensa brasileira em diferentes pronunciamentos realizados nesta segunda-feira em Nova York, onde se encontra para a Assembléia Geral da ONU, e afirmou que o povo é ''um juiz sábio'', capaz de distinguir notícias falsas das verdadeiras. Pela manhã, Lula demonstrara irritação com uma reportagem publicada pela Folha, que dizia que o governo iria permitir uma nova rodada de aplicação do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) na aquisição de ações da Petrobras.

O governo autorizou, há sete anos, que o FGTS fosse usado por trabalhadores para a compra de ações da Petrobras. Segundo a Folha, a Petrobras captou R$ 1,6 bilhão com a medida e o investimento rendeu 766,8% aos que adquiriram as ações. A reportagem afirmava que o governo Lula iria autorizar o uso do fundo de garantia na capitalização da Petrobras para explorar o petróleo da camada pré-sal. ''Eu acho abominável alguém fazer uma manchete daquele jeito, sem nunca ter conversado comigo e sem que eu nunca tivesse pensado na idéia'', afirmou Lula, durante a manhã de segunda, após um evento da Embratur realizado em Nova York, que visava promover o turismo no Brasil.

De acordo com o presidente, o texto constituiu uma ''irresponsabilidade, porque isso mexe com o mercado, mexe com as ações. Se alguém quer dizer que o presidente da República pensa alguma coisa dessa magnitude, no mínimo deveria ter tido a responsabilidade de me consultar ou ao ministério da Fazenda, do Planejamento, do Trabalho ou ao presidente do Banco Central''.

Durante a tarde, Lula voltou a fazer críticas à imprensa, durante a entrega de um prêmio na sede da ONU -- ironicamente entregue pela agência de notícias Inter Press Service --, mas, desta vez, suas farpas pareceram não ser dirigidas contra um alvo específico. ''A disseminação da audiência não pode ser pautada exclusivamente por índices ou pela lógica empresarial'', afirmou, para, em seguida acrescentar que ele confia ''cegamente na inteligência do povo''.

De acordo com Lula, ''o povo consegue distinguir a verdade da mentira e sente nos olhos de quem está falando na televisão, na voz que está falando no rádio e nas palavras dos jornais, o que é verdade e o que não é verdade''. ''Eu digo todo dia no Brasil que o povo é um juiz sábio e soberano. Entre tantas verdades e inverdades, entre tantas coisas feitas de boa fé e de má fé, eu tenho a convicção de que o conjunto da sociedade consegue separar o joio do trigo.''

PS: Ninguém quer conversar com ele? Ah! Me poupe...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não sou obrigada...

24 primaveras e uma vida toda pela frente...

Oportunismo disfarçado de bondade; oportunismo que se ostenta...