Melissa chuta ao gol...

Melissa adora futebol, mas ninguém a deixa jogar. A turma da sua rua é só de meninos e ela só pode brincar quando é queimada. Por isso, fica assistindo e pensando em como seria bom se estivesse ali, jogando com todos eles. Após cinco minutos não se controla e pede para entrar na partida e os desafia, afinal quem poderia perder para ela?

Eles riem, não dão a mínima e ela continua a cutucá-los. “Será que não querem perder para uma menina?”. Melissa entra no jogo como café-com-leite e fica responsável em proteger o canto esquerdo do campo, somente do lado da grande área (que na rua é bem pequenina), é quase uma gandula. No início, só busca as bolas que são chutadas com força para fora do campo. Na realidade ninguém quer deixá-la jogar, justificam dizendo que não querem machucá-la.

Melissa não é de reclamar, porém começa a desanimar no meio do jogo. A bola parece algo inatingível, longe da sua realidade e o caminho mais provável naquela partida - na qual ela era uma jogadora praticamente imaginária – era sair e sentar na calçada, ou o banco, como queiram chamar. Quando estava a deixar a partida a bola rola em sua direção. Dribla um, desvia de outro e chuta sem direção. A bola vai para fora, mas ela recupera sua confiança.

Aos poucos, conquista cada um dos meninos e fica empolgada em participar de tudo aquilo. Seu lugar não é mais ali do ladinho, a chamam para ir mais ao meio da quadra improvisada. Gosta de sua nova posição.

O primeiro tempo termina e mudam de lado no campo. Após o início da partida a confusão interna é grande e a bola sobra para Melissa, que consegue se virar muito bem na situação. Ela chuta a gol, mas na direção errada. O time adversário comemora a atitude da menina, que de tão empolgada com os dribles se perdeu e fez gol contra.

Vermelha, ao perceber o que acaba de fazer, ela ri sem graça do feito e complementa: “tudo bem vai, não vale porque sou café-com-leite!”. Ninguém fica bravo, já que todo mundo erra no começo. Agora ela sempre é convidada a jogar e a segunda a ser escolhida, seja qual for a equipe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não sou obrigada...

24 primaveras e uma vida toda pela frente...

Oportunismo disfarçado de bondade; oportunismo que se ostenta...