Memórias Diretas

Fachada da prefeitura de Campinas, em 1984. Crédito da foto: Luiz Ferrari

Há exatamente um ano a Amira e eu estávamos praticamente loucas por causa do nosso projeto de conclusão de curso: um videodocumentário sobre a campanha das Diretas-Já no município de Campinas. Queríamos fazer uma espécie de ‘resgate histórico’ de um episódio desconhecido por grande parte dos moradores da cidade. Ficamos mais de cinco meses só pesquisando, fazendo pré-entrevistas e falando com muita, mais muita gente para conseguir qualquer tipo de material audiovisual, fotográfico e relatos sobre a época.

Visitamos arquivos de TVs, jornais, sindicatos, acervos públicos, bibliotecas e não achávamos nada que sustentasse as imagens da nossa proposta. Nossos entrevistados também não guardaram nada visual daquela época e já pensávamos em mudar de tema, porque não tínhamos conseguido reunir imagens suficientes para contar esta história.

Orquestra de Campinas em apresentação no Carlos Gomes. Era conhecida na época como a 'Orquestra das Diretas', do maestro Benito Juarez. Crédito da foto: Luiz Ferrari.

Foi aí que encontramos o Orestes Toledo, que nos presenteou com algo muito especial: um vídeo amador da maior manifestação política já realizada em Campinas, o comício no Largo do Rosário de 21 de janeiro de 1984. Em toda a cidade, não há nada igual a este registro histórico. Pronto, agora podíamos falar sobre o que tanto queríamos.

De Osmar Santos aos comentários de Orestes Quércia, vice-governador do Estado de São Paulo em 1984, parecia que alguém naquela época sabia que duas estudantes iriam precisar das imagens para seu trabalho, eu nem havia nascido ainda! Posso até dizer que o dia que achamos e assistimos juntas a relíquia foi um dos momentos mais marcantes da minha vida.

Depois da descoberta foram várias noites sem durmir, gravando, decupando, editando e procurando as pessoas que apareciam naquele vídeo para entrevistarmos. Uso o gerúndio para falar disso de propósito, pois o fizemos praticamente sozinhas e conseguimos após muito trabalho. Só não deu certo de falar com a Maitê Proença, que não topou, e com o presidente (neste último caso bem que a Amira tentou e fez o que pôde no Planalto, porém foi praticamente engolida pelos outros jornalistas que queriam saber sobre os escândalos de sempre. Lógico que não deu certo, quem sabe na próxima?).

Jogo de futebol no Largo do Rosário, em Campinas, em 1984. Ao invés de Guarani e Ponte Preta, o jogo foi do time das 'Diretas' contra o da 'Indiretas'. O placar foi de 10 x 4 para a primeira equipe, com foto publicada no jornal Correio Popular.

Mas tirando este blá-blá-blá, hoje fiquei orgulhosa em saber que o nosso ‘Memórias Diretas’ foi um dos dez curtas-metragens mais votados pelo público durante a III Mostra Curta Audiovisual de Campinas. Fez parte da Sessão Júri Pop.

Isso me deixa feliz porque nós duas não acreditávamos neste projeto. É bom saber que algumas pessoas gostaram do resultado final e que este só foi possível após muito estresse, chororô e noites perdidas de sono (ou não teria graça, não é verdade?). Nem quando ele foi apresentado e elogiado no Intercom Sudeste eu fiquei tão satisfeita...

Aposto que a Amira vai concordar com cada palavra...

Clique aqui para entrar no site da III Mostra Curta Audiovisual

Comentários

Parabéns querida! Vcs merecem!
Gabriela Angeli disse…
Obrigada, Dani!!

Beijos,
Gabi.

Postagens mais visitadas deste blog

Não sou obrigada...

24 primaveras e uma vida toda pela frente...

Oportunismo disfarçado de bondade; oportunismo que se ostenta...