Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2008

Desconforto com a falsa necessidade...

O brasileiro nunca teve tanta coisa. Não importa quanto vai receber no fim do mês, as casas já estão cheias de eletroeletrônicos de todos os jeitos, da televisão com tela plana de 50' na sala ao iPod que não sai do lado do seu dono mesmo quando ele entra no banho.

Os artigos de luxo também estão cada vez mais presentes nos lares. Cosméticos que valem mais do que deveriam e que mal cumprem a promessa marqueteira estampada nos rótulos; perfumes com fragrância forte e preços que ultrapassam até um salário mínimo. Mas não tem importância, são todos comprados naquela loja do shopping conceitual, aquela que a madame do condomínio adora.

No guarda-roupa a história não é diferente. As roupas com marcas famosas sobressaem, mesmo que tenham sido divididas em 10 vezes sem juros no cartão de crédito. O importante é mostrar a etiqueta, pois é dela a culpa do absurdo convertido em moda. E se a situação mudou tanto dentro das casas, nas ruas não poderia ser diferente. Os carros saíram das montador…

E ele está apenas começando...

Estava na casa da minha tia Renata, ajudando a montar um painel para escola na qual ela dá aulas de português. Era uma espécie de jornal-mural que ela produziu junto com suas turmas para comemorar os 40 anos da escola municipal Júlio de Mesquita Filho, de Campinas.
Para adiantar um pouco as coisas para ela, comecei a digitar os textos dos alunos do 5º ano (4ª série) sobre os perigos do cerol. Li vários bem redigidos, uns que não expressam tanta vontade e outros normais. Foi então que me deparei com uma letrinha bem pequenininha, de um estudante chamado Eric Alexandre. Achei uma graça o jeito dele escrever, porque dá para perceber o cuidado que teve em desenvolver a história e passar para uma folha de caderno. Não aguentei ao ler uma criança escrevendo na linguagem certa para o público de sua idade e tive que postar uma pequena parte do texto aqui:
"O cerol matou muita gente e apesar de ser uma brincadeira de criança virou uma arma mortal (...). O cerol é usado muito por crianças p…

Apenas dois parágrafos sobre Marina...

Marina não é uma menina como as outras. Ao invés de idealizar seu futuro ao lado de um amor qualquer e rodeada por filhos, sonha em viver de música, pintura ou poesia (sozinha de preferência, por favor). Desde que soube o que realmente queria, divide sua vida com acordes e sonetos, tintas roxas ou amarelas, e faz questão de não deixar nada de bom passar.
Muitos dizem por aí que ela está perdida, que não tem nada na cabeça, mas Marina prefere dizer que só leva uma vida diferente, com sonhos diferentes e um pouco distante do que os outros estão acostumados. Só isso, apenas quer seguir sozinha seus próprios passos...

Game over ou xeque-mate?

Realmente é bem difícil pertencer a geração videogame. Basta ter duas mães pertinho de você para que elas já comecem a falar que seus filhos não largam os benditos jogos eletrônicos e que também não saem do MSN, que este mundo está perdido e que eles nunca vão parar de jogar. Umas até se exaltam ao falar que o bom mesmo era quando os jogos não eram eletrônicos, eram de tabuleiro. A única coisa boa nisso é que a minha nunca está no meio.

Toda vez que isto acontece penso seriamente no quanto esta garotada deve ouvir de reclamação por aí, por que se isso acontece comigo que tenho 23 anos imagina com os que têm 8 ou 15 anos?

O bacana é que não importa se elas me conhecem há cinco minutos, é bem comum eu ser pega de surpresa ao ser questionada sobre o que elas devem fazer com seus filhos, que mais ‘parecem um bicho noturno que não largam o computador e videogame. Não adianta falar, eles adoram tanto aquilo. Será que eles terão um bom futuro, meu Deus!!?? Essa geração está perdida!!". Tu…

Um xingo de nada faz bem para desabafar...

Não é preciso viver em São Paulo para odiar o trânsito, basta você estar numa rua e ter pelo menos mais dois carros ao seu lado enchendo o saco. Digo isto de forma consciente, até porque não tirei minha carta pelo Orkut e sei dirigir direitinho, como um verdadeiro homem por sinal (sem machismo, mas é verdade!).

Enfim, sempre pego rodovia, centro de cidade, aquela coisa toda, e não são raros os dias que vejo um monte de coisa errada, que me inspiram a mandar 'os autores' para a casa do caralho (isto mesmo, é para lá que mando). Entretanto, dentre tantas coisas idiotas, as que mais me tiram do sério são: 1) Moleque com cara de frustrado que quer passar onde nem um patinete passa e fica te enchendo o saco, querendo correr na rua esburacada pensando que é Interlagos; 2) Neguinho querendo 'encoxar' seu carro mesmo você estando na faixa da direita na velocidade máxima permitida; 3) Japonês de Santana querendo entrar na rua contra-mão sem dar seta e que ainda te xinga porque v…

Ser chique é...

Imagem
A revista Vogue, como todo mundo sabe, é um dos títulos mais disputados pelas mulheres que adoram saber sobre as novidades do mundo da moda. É sinônimo de elegância, audácia, sofisticação e desperta o desejo de compra em várias pessoas que queriam muito ter aquele vestido, aquela bolsa, aquela jóia e aquela sandália super in. Além de ditar tendências, vende o luxo e a idéia de que o glamour pode estar em cada detalhe.

Talvez seja por isso que não pude evitar o riso quando vi uma barraquinha de 'churrasco de gato' coberta com a propaganda da revista, em Campinas. A capa enorme oferece abrigo a várias pessoas que vão ao lugar forrar o estômago e tomar uma cerveja no fim da tarde.
Mas será que o cardápio da barraca improvisada tem o mesmo glaumour que o conteúdo que 'recheia' a Vogue? Só posso dizer que o lugar está sempre cheio...

Será que ele levou um dollar pelo menos?

Li esta notícia e não pude evitar. A capa (e o disco) 'Nevermind' do Nirvana é um marco na vida de muita gente, assim como The Unforgiven do Metallica, Under The Brigde do Red Hot e November Rain do Guns N' Roses, que tem o Slash tocando maravilhosamente no meio do nada. Caramba, acho que vou ter que mexer no meu armário depois! Só não quero ver aqueles shorts ridículos do Axl, não gostava nem naquela época...Enfim, eu já ia mudar de assunto novamente, mas o principal deste post está aqui abaixo. A notícia é do site da Rolling Stone:

Bebê do Nirvana refaz capa
Aos 17 anos, Spencer Elden refaz capa de Nevermind, de 1991

Saiu nesta segunda-feira, no site da MTV norte-americana, uma foto atual de Spencer Elden, o "bebê do Nirvana". Em 1991, Spencer estampou a capa do disco Nevermind.Agora, aos 17 anos, o menino voltou a perseguir a nota de um dólar submerso numa piscina, só que de short. Ao site da MTV, Elden resumiu: "É estranho pensar que tanta gente já me viu …

E eu que queria ser ela...

Bonita como ela só, não perde tempo com besteiras. Vai logo ensaiando o que falará às várias pessoas que aguardam suas palavras, sentadas confortavelmente nas poltronas de sua sala. Ela nem ao menos sabe se prestaram atenção ou não em seu discurso.

Mesmo observada por todos os lados, não fica envergonhada e conversa sobre tudo com todos. Sabe que são as conversas que guiarão suas inspirações e sua mensagem, não há como duvidar disso. Não demora muito para que dê as ordens para registrar a informalidade alheia, já que não pode individualizar as informações que acabara de receber. Este é seu trabalho.

Observando de longe não tenho como dizer se ela é bacana ou não, se gosta do que faz ou se acha todo este processo uma chatice. Também não sei dizer se ela sabe o quanto ouvir Cindy Lauper é divertido, se gosta de chocolate ou se sente cólica de vez em quando. Será que ela canta no chuveiro? Não sei, apenas tento imaginar o que passa em sua mente, mas só consigo refletir se pelo menos ela re…

Bem ou não, que esteja sambalelê!

Dizem que Sambalelê realmente não tem lá muita sorte. Mesmo doente e com a cabeça quebrada todo mundo quer lhe dar uns tapinhas, só por diversão. Talvez isto explique porque eu odiava tanto esta canção infantil; pensava que se não a cantasse poderia deixar o coitado em paz para se recuperar, tranqüilo em sua casa. Lembrando com vergonha disso muitos anos depois e bem mais crescidinha (deixando a altura de lado), hoje vejo ‘sambalelê’ de uma maneira bem diferente...

“Já sei, lá vai ela escrever algo chato ou romântico sobre o tal de Sambalelê!”, podem dizer os que leram o primeiro parágrafo, mas não é bem assim. Nunca tive uma paixão arrebatadora pelo tal da cabeça quebrada e não gosto de romantismo, o Rafael sabe muito bem. Apenas comecei a escrever isto por ter uma relação amistosa com a palavra ‘sambalelê’, que considero muito interessante.

Não sei se a culpada desta minha opinião foi a Ruth Rocha, que tem uma coleção de clássicos que leva este nome, ou se é porque 'sambalelê'…

A história informal é tudo de bom...

Ainda faltava muito para as oito horas da manhã e já tinha que preencher um formulário que deixaram em minha mesa. Pouco tempo depois o ramal tocou e lá fui ao ambulatório com minha folhinha toda cheia de marcações, conversar com o médico da empresa. Já que não bebo, não fumo e minha saúde está ótima – obrigada! - pensei que minha consulta seria bem rápida e de rotina. Poderia ser assim em qualquer outro lugar, mas não quando o médico que irá te examinar é o Dr. Macatti. Ao entrar na sala ele logo começou a perguntar: “O que você faz aqui menina?”. Respondi de imediato que pediram para que eu fosse até lá e ele incorporou um entrevistador:- Você trabalha no marketing e é jornalista, né? Li aqui...- Sim...- Assistiu o Fantástico no domingo passado?- Não pude assistir. Não estava em minha casa...- Mas você viu a história dos médicos que não conseguiram se formar há muitos anos?- Sim, acompanhei pelos jornais. Li sobre o assunto e sobre a história daquele estudante...- Sabia que eu fiz p…