sexta-feira, 27 de março de 2009

Às vezes...

Às vezes me canso de escutar as mesmas músicas e acreditar que gosto delas; de ouvir falsos discursos que valorizam atitudes erradas e sem fundamento...

Às vezes me canso das pessoas, suas manias e crenças; do descaso com as atitudes corretas, frequentemente substituídas por ações mascaradas e errôneas...

Às vezes me canso da inversão de valores de toda uma geração, que ostenta o que nunca serão; da falta de juízo que passam adiante a pequenos que serão seus piores precursores...

Às vezes me canso das palavras vazias e da superficialidade das frases de efeito, que só inflam egos incapazes de suportar a realidade de suas vidas; de reações que só levam em consideração a primeira pessoa do singular, desprezando todas as outras do plural...

Às vezes me canso das pessoas que falam sem parar e do desprezo que têm em ouvir, escutar o que o outro tem a dizer; de ver como destratam aqueles que as criaram e da falta de humildade para aceitar opiniões, por saberem como é difícil mudar sua fraca maneira de agir...

Às vezes me canso de acreditar que existe justiça aos indivíduos que cometem crimes, pois estes viram vítimas e as vítimas passam ser ainda mais humilhadas; do apoio inexistente das famílias, que preferem compactuar com seus algozes e omitir problemas sérios para agradar os praticantes de atitudes desprezíveis, de fomentarem atos repulsivos...

Às vezes me canso de acreditar que somos seres desenvolvidos e superiores a outros animais; de saber que somos obrigados a perdoar a insensatez e a maldade alheia, somente para aceitar situações que não gostaríamos de vivenciar e das quais não podemos escapar...

Às vezes queria ter a capacidade de desconsiderar a estupidez humana; de não pensar em nada disso...

terça-feira, 24 de março de 2009

E a ideia deste povo continuará com acento...

Vou dizer que ando decepcionada com a falta de interesse das pessoas e com o que é dito e escrito por aí. Outro dia estava ouvindo a rádio Nova Brasil e os apresentadores do programa Radar fizeram a seguinte pergunta aos ouvintes: você já procurou saber algo sobre a nova reforma ortográfica?

Eu, a caminho de casa, logo imaginei que era impossível uma pessoa não se preocupar com a língua materna e com as mudanças que ela sofreu recentemente, afinal este assunto está em pauta há no mínimo oito meses. Logicamente sempre haverá os que não se preocupam, mas por ter sido um assunto tão falado julguei que a resposta positiva seria esmagadora, até porque a escrita está presente em cada parte de nosso dia. E foi aí que tive plena certeza de que a realidade sempre é pior do que se imagina.

Ao contrário do que eu poderia imaginar mais de 55% dos ouvintes não procurou saber sobre as mudanças na ortografia; e este resultado me deixou seriamente preocupada e emputecida. Aliás, só serviu para fomentar ainda mais minha raiva pela falta de interesse das pessoas em procurar informação e tentar melhorar sua formação cultural.

Não sei se é uma preguiça enorme que toma conta da mente destes indivíduos, porém é muito doloroso ver que a maioria dá mais valor às fofocas e informações insignificantes e esquece de sua educação continuada. Ao invés disso, adora promover a multiplicação de conteúdo inútil e pouco se interessa por aquilo que realmente será válido pela vida toda. Afinal, para que serve o conhecimento?

Ah! Talvez esta falta de interesse explique porque ainda vemos imagens como esta abaixo:

Não sei de quem é esta foto, não chegou identificada. Caso você saiba me avise, para creditá-la da forma que ela merece. Daniel, obrigada por me encaminhar a imagem!

sábado, 21 de março de 2009

Guru 2.0

Se antes as pessoas buscavam nos livros de autoajuda e nas cartomantes de bairro as respostas às suas questões mais pessoais, hoje elas encontram tudo isso em apenas um clique, de forma simples e personalizada.

Não, definitivamente não estou ficando louca. A verdade é que também há indivíduos que usam o Google para pesquisar sobre seu futuro e sobre o que devem fazer diante de determinada situação. Para isso, só digitam o problema e clicam em “Pesquisa Google” e, se quiserem, ainda podem delimitar a busca por idioma.

Isto até pode soar estranho, mas o Google é para alguns usuários muito mais que uma ferramenta de busca, virou uma espécie de autoajuda 2.0, um guru modernete, uma cartomante virtual, praticamente um facilitador de questões. Quer um exemplo?

Muitos chegam até este blog (e ao seu também) digitando confissões e segredos. Digo isso porque em meu relatório de acessos sempre é possível observar as pesquisas absurdas que as pessoas fazem, do tipo "Eu aceito ou não aquele pedido de casamento?" ou "A simpatia da cueca ao contrário também serve para conseguir um emprego novo?”.

Mais do que querer saber a opinião de seus conhecidos ou o que fala horóscopo daquele dia, querem verificar o que o Google tem dizer à respeito de sua dúvida. É por isso que digo aqui que aquela simples caixinha de busca tornou-se uma espécie de confessionário na qual você pode falar o que quiser, pois o segredo será mantido só entre você e o Google. É quase que um psicólogo particular, que lhe mostra as respostas possíveis e você tira suas próprias conclusões...

E depois de toda essa reflexão tão absurda também vou ao Google. Quero clicar logo em “Estou com sorte” e ver se ele mostra as respostas aos meus problemas ou, pelo menos, os números do próximo sorteio da mega-sena...

quinta-feira, 19 de março de 2009

Boa notícia, Zin'bar na área!

O post de hoje nem é para ser considerado um post para dizer a verdade. Também é bem diferente do que costumo colocar por aqui, mas é que fiquei tão feliz com o "achado" que não poderia deixar passar! Meu querido Zin'bar reabrirá em breve, um pouco mais requintado, porém acabará com a minha saudade. Já tem até animação rolando no youtube...

Aos que também amam este lugar e querem fazer parte da comunidade no orkut, aqui vai o endereço:

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=6496781

PS: sei que ando longe das postagens, mas é por um motivo importante. Até sábado! Beijos e obrigada pela visita ; )

quinta-feira, 5 de março de 2009

Você tem medo de quê?

Tem gente que tem medo de errar em algum momento, medo de montanha-russa, medo de ver uma lagartixa enorme na escada, medo de ficar careca, medo de perder alguém especial e de filme de terror. Outros têm medo de não conseguir fazer determinada coisa, medo da mãe do amigo, medo de novas oportunidades, têm medo de sair da zona de conforto ou de dizer algumas verdades.

Na realidade não importa do que você sente medo, pois todos temos medo de muitas coisas, é natural...

Bem, tudo isso para dizer que esta música do Lenine, cantada com a participação de Julieta Venegas, é um resumo de muitos medos cotidianos. Entretanto, não há porque ter medo em escutá-la várias vezes...