sábado, 18 de abril de 2009

Deixe-se surpreender...

Uma mulher caminha pela rua e está com uma roupa muito extravagante para os padrões normais. Ela passa entre homens e mulheres e desperta olhares desconfiados, cheios de julgamentos e rótulos, mas apenas segue o seu caminho. Muitos podem achar que ela tem uma profissão antiga, outros apostam que ela não sabe como está ridícula ou ainda dizem que ela só arrumou um jeito de chamar a atenção. Aposto que nenhum diria que ela tem liberdade para usar o que quiser ou que é uma excelente pessoa; o legal mesmo é não deixar de fazer um comentário maldoso.

Vou ainda descrever uma outra situação. Um colaborador dá uma lida em um texto de um acadêmico ou de um profissional que está acima dele no organograma e, com boa vontade, decide expor sugestões benéficas ao autor. Entretanto, ao mostrar ao seu superior um novo ponto de vista, logo é esnobado ou recebe questionamentos indevidos, como se não tivesse capacidade intelectual de melhorar aquilo só por causa da sua pouca idade ou por sua colocação profissional.

Estas situações podem ser bastante diferentes, mas têm muito em comum. Ambas poderiam ser evitadas caso houvesse um sentimento que é a base para construir qualquer relação humana: o respeito. Tudo bem que esta palavra pode não fazer tanto sentido ultimamente, mas por mais que tentem colocá-la em desuso ela ainda é forte e indispensável, mesmo escondida atrás de atos e situações.

Seu uso é prejudicado principalmente pela ânsia que muitos têm em se sentir superiores, julgando ou agindo estupidamente, só para respeitar a fúria de um ego insensato. Se soubessem mais como usá-la aposto que não teríamos tantos problemas de aceitação e relacionamento. Acredito até que viveríamos mais leves, pois as coisas funcionam naturalmente quando respeitamos o que o outro é, o que ele tem a dizer, o que deseja, o que sente, o que sabe e, principalmente, o que não sabe e pode aprender.

Acho que todo este comentário poderia ser resumido em um vídeo que vi no Youtube esta semana. A situação que ele nos mostra, com todos os julgamentos e “achismos” desnecessários, é muito real e vivenciados por todos nós, seja quando somos desrespeitados ou fazemos isso com alguém. Se parássemos de julgar e deixássemos as pessoas mostrarem o melhor de si antes de mais nada evitaríamos situações embaraçosas, poderíamos nos surpreender desde o início.

Infelizmente não dá para incorporá-lo aqui, mas para quem quiser assisti-lo o link é: http://www.youtube.com/watch?v=Z-D75CWbSgY

sábado, 4 de abril de 2009

Me dá um abraço?

Você está sentado em sua mesa de trabalho um pouco triste ou precisando se animar e, de repente, dá aquela vontade de abraçar uma pessoa querida. Juro que sempre peço um abraço para quem está perto de mim, mas só àqueles que sei que realmente retribuirão o gesto com sinceridade. Entretanto, é muito comum ter um colega ao redor que olha a atitude com desdém, mesmo quando isto deveria ser totalmente normal.

Mas, afinal, o que há de errado em querer abraçar alguém ou em pedir um abraço? Diariamente pedem tantas coisas absurdas, por que não um abraço? O que há de diferente nisso, minha gente?

Definido por nosso querido Aurélio como ato de abraçar e de se estreitar nos braços de outrem, este gesto é muito mais que uma demonstração de carinho ou de educação. É a pura confirmação de que o ser humano precisa de contato com os seres de sua mesma espécie e necessita ter este momento de cumplicidade constantemente, não importa a situação pela qual está passando. Simbolicamente diria até que é uma forma de agradecimento por poder dividir o que você sente com alguém próximo, sem precisar dizer uma palavra.

Abraçar é algo mútuo e não depende só de nossos interesses individuais, é preciso que o outro também aceite o gesto, senão nada feito. Além de tudo isso mostra que não estamos sozinhos e que precisamos de conforto e proteção nos braços e no colo dos outros, não importa a idade.
Podem falar o que quiser, mas acredito nesta minha teoria absurda e não poupo ninguém: pai, mãe, namorado, cachorro, amigos... abraço todo mundo mesmo. E você, que leu este texto até o final, também pode sentir-se abraçado(a) por mim neste momento!