sábado, 17 de julho de 2010

Sorria com intensidade

Inicio este breve comentário escrevendo que, com certeza, há alguma música que o(a) faz sorrir, não é? Pois  eu também tenho a minha canção predileta e que tem até um nome sugestivo: Smile like you mean it, da banda The Killers. 

E se você deseja saber o porquê desta minha escolha, digo-lhe que é por um motivo bem simples: não importa se os sonhos não são o que costumavam ser ou se algumas coisas pararam sem se importar, se você olhar para trás ou para frente verá que é impossível não perder a noção do tempo e das pessoas ao seu redor. Mesmo assim, a essência do que você é sempre continuará a ser a mesma.

Tudo bem que o seu jeito de ser ou agir até pode mudar enquanto se é jovem ou velho; terão pessoas que tentarão fazer isso contigo. Entretanto, você aprenderá, cedo ou tarde, que cada um deve seguir aquilo que acredita, sem se importar com a opinião alheia. É difícil, mas se aprende.

E se você não entendeu absolutamente nada do que eu escrevi, se acalme. Um dia você encotrará uma pessoa ou um motivo muito especial que o(a) ajudará a compreender tudo isso. E quando esse dia chegar, você sorrirá exatamente da forma que aquilo significar para você.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Aprende-se a ser herói porque há vilões para derrotar...

Não muito distante das terras dos contos de fadas, príncipes brigavam entre si para conquistar o que não lhes pertenciam, enquanto reis apenas preocupavam-se em enriquecer-se e mostrar falsas ações a outros reinos não tão diferentes.

Nesta terra de valores invertidos, na qual garotas boas morriam ofuscadas nas mãos de rainhas e princesas com olhos maliciosos, não havia magia em parte alguma, apenas poucos cavalheiros que aprenderam a ser heróis para ajudar os outros a viver em meio a tanta ganância e briga pelo impossível.

Com suas pobres mentes envenenadas, porém, os nobres não tinham inteligência suficiente para enxergar que tais cavalheiros enfrentavam e resolviam, a todo momento, os problemas que prejudicavam sua fortuna e que os mantinham naquela posição. Os heróis eram mais vistos como partes descartáveis de um reino de sucesso, pois reis, rainhas, príncipes e princesas acreditavam que só dependiam de si mesmos para prosperar; doce engano.

Desacreditados com a constante falta de consideração, os heróis cansaram-se de seu papel salvador, fugiram das histórias encantadas e deixaram os nobres à deriva de seus algozes e vilões, os quais nem imaginavam existir. Não sabendo o que fazer para derrotá-los, viram seus castelos serem vandalizados e o que ostentavam sumir, como se nunca houvesse existido. Os vilões conquistaram, enfim, o poder daqueles que se julgavam autossufientes para manterem-se intocáveis eternamente.

Nesta terra não tão distante de nossa realidade, os que se diziam nobres choraram por ignorar que as piores lutas eram resolvidas nas escalas mais baixas, nas quais estavam os heróis para protegê-los de vilões que almejavam se tornar reis e rainhas. Infelizmente, aprenderam muito tarde o quão perigoso era sonhar tão alto às custas de seus heróis não valorizados.