sexta-feira, 17 de agosto de 2012

O verdadeiro galo da madrugada...


Estava lá, num sono gostoso e profundo, quando comecei a ouvir um galo cantar todo animado. Na minha cama, de pijamas, quentinha e não entendendo muito bem se era parte do sonho maluco que estava tendo ou realidade, ouvia o bendito galo cantar sem parar. Até levantei para ver que horas eram, pois o bichinho estava tão afinado que só deveria estar dando boas-vindas a um novo dia com sol e céu claro.

Para minha surpresa, porém, o sol estava longe de aparecer: eram 2h30 da matina, em plena sexta-feira,  17 de agosto de 2012, e o bichinho a cantar sem parar. Do outro lado da história, eu, que estava desfrutando do sono profundo e fui surpreendida com tanta cantoria, querendo recuperar e voltar ao sonho maluco e ao soninho gostoso. Contudo, o galo continuou por muito tempo com seu repertório; o mesmo tempo, aliás, que eu levei para voltar a dormir.

Durante os demorados minutos em que o galo cantor dava seu show particular em algum quintal perto de minha casa, comecei a me lembrar ensonada que eu mesma já tive um bichano deste. Às 2h45 da manhã,  comecei a recordar deitada na cama a boa época em que morava no fundo da casa de meu avô, quando fui a uma festa do Dias das Crianças e voltei de lá com um pintinho amarelinho, presente sem noção e típico da década de 1980. Nem preciso dizer o quanto eu adorava o animalzinho.

Eis então que o pequeno pintinho – sem malícia, por favor, este é um texto de família! – se tornou um galão, forte, com penas avermelhadas e que ficava desfilando no quintal lá de casa, ou melhor, da casa de meu avó, exibindo-se às galinhas. Lembro-me que amava tanto aquele galo que eu até corria atrás dele para brincar, corria tanto que quando ele cansava logo e ia se esconder do lado do vaso sanitário, para recuperar o fôlego, lá no banheiro da minha tia. Galo esperto, diga-se de passagem.

E assim a história seguiu, feliz e por um bom tempo, até o dia em que fui viajar com meus pais. Aproveitando a minha ausência, meu avô enxergou o galo de outra forma que eu, não como um bicho amigo, mas dentro da panela; transformou-o num belo almoço de domingo. E eu, assim que voltei da viagem, procurando pelo bichano, fui informada que ele tinha ido morar em outro lugar, que tinha me deixado um abraço. Inocência, mesmo que triste fui fazer alguma outra coisa e só soube o que aconteceu com o meu galo de fato anos mais tarde, quando já tinha idade para entender e sabia o que era quase destino certo desta espécie. E fiquei pensando "tadinho do galo, nem nome ele tinha!", quando percebi que já eram 3 horas da matina. 

Meu galo que tragicamente foi para a panela, então, fez-me voltar a escutar o cantar do bendito galo que me acordou, tirou-me do sono maluco e que me fez retornar lá no quintal da casa do meu avô. Neste momento, juro que desejei do fundo do meu coração que o cantor sem relógio fosse à panela, não o maratonista que eu tinha. Contudo, quando cheguei a esta conclusão acho que era tarde, estava no sonho maluco de novo...

Crédito da foto: divulgado no Google Imagem

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Ficando feliz por nada novamente...

Há períodos em nossas vidas nos quais não nos identificamos com absolutamente nada. E nesta fase, caro leitor, tudo costuma ser sem graça, pois não há nada que nos tire da mesmice de sempre e da rotina chata. Nestes tempos difíceis nenhum barzinho tem a coxinha que gostamos, nenhum livro é digno de nossa atenção na prateleira da livraria, nenhuma banda consegue criar uma nova canção que nos agrade, nenhum prato de comida se torna objeto de nosso desejo, nenhuma fotografia consegue nos emocionar, nenhum filme consegue entrar para a lista dos mais queridos, nenhum assunto é digno de se tornar uma crônica e – pasmem, sobretudo os seres do sexo feminino – nem as vitrines das lojas de sapatos e roupas em promoção de 80% conseguem nos entreter e nos fazer abrir as carteiras.

E quando isso acontece, a falta de identificação com algo complicado ou simples, ficamos mal humorados, chatos e repulsivos. Sim, chatos de galocha, daqueles que não queremos perto nem hoje e nem nunca, que não sorriem nem quando seus cachorros de estimação os recebem felizes e balançando o rabo igual corda de pular na velocidade “foguinho”. E eu estava assim, um ser totalmente insuportável, apático e que não conseguia se identificar com nada. Mas como diz meu sábio avô Cid, depois de toda borrasca sempre vem uma boa surpresa.

E meu avô realmente estava certo. Estava lá na esteira da academia, em uma noite fria de quinta-feira, lendo uma revista qualquer para me distrair durante o tempo de aquecimento para ir à musculação quando uma das professoras de lá, a Gi, veio em minha direção com um livro na mão, com um sorrisão no rosto – e ela está grávida, então era um lindo e grande sorriso mesmo – e me disse “Acho que você vai adorar este livro, é a sua cara!”. Entregou em minhas mãos o livro “Feliz por Nada”, com crônicas da Martha Medeiros.

Confesso que havia lido alguns textos da jornalista por aí, há muitos anos mesmo, e naquela época nem sabia o que era uma crônica. Anos mais tarde e completamente apaixonada por este gênero literário, tenho aproveitado cada frase da Martha. Ela tem tudo na dose certa, talento, simplicidade, objetividade, passa longe da autoajuda – ufa! – e sabe fazer o que eu sempre quis desde que resolvi fazer jornalismo: despertar, no ato, a identificação do leitor com o que eu sou capaz de escrever.

E pronto, nem preciso dizer que bastou algumas páginas para que eu pudesse sair finalmente da zona de conforto e da apatia, voltar a me identificar com algo, sensibilizar-me mais e voltar  a me inspirar. Uma delícia voltar à normalidade de se identificar com o próximo, mesmo não o conhecendo; de rir com coisas simples, de saber que todo mundo tem uma amiga com complexo de namorado, de também achar que nem tudo é digno de foto e de se sentir próxima da realidade, sem frescura e sem muitos adjetivos. Como é bom ficar feliz novamente e de forma mais fácil do que o esperado, com uma boa dica de leitura na esteira da academia...


Se você se interessou pelo livro, é este aqui. Se clicar aqui, conseguirá mais informações! ;)

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

O surto da panqueca...

Há quem já tenha perdido o controle com uma fechada no trânsito, com a falta de comprometimento de alguém ou com conversa paralela no cinema. Há também quem já tenha perdido as estribeiras com cliente folgado, com o atendente mau educado ou com o atraso de entrega do item comprado pela internet. Conheço até uma pessoa que rodou a baiana porque disseram que ela tinha o braço gordo e gente que briga pela vez no aparelho de musculação na academia, mas confesso que até hoje não tive o prazer de conhecer mais alguém que tenha surtado por causa de uma inocente panqueca. E, sim, por uma pequena panqueca, fria e um dia passada (pelo menos era de carne!). 

Sinto-me até envergonhada por compartilhar este momento tão mesquinho, infantil e egoísta de minha vida adulta, mas já armei um circo em casa, xinguei meio mundo e quase registrei um boletim de ocorrência só porque meu pai - que é pouco esganado, só para registro, mas que o amo mesmo assim - foi lá e mandou para dentro a bendita panqueca que separei no forno para almoçar no dia seguinte. Sim, chorei igual criança neste dia, quando cheguei em casa mal humorada, esfomeada e abri a portinha do forno e pensei "cadê a panqueca?". Foi como se alguém tivesse me batido com um martelo na boca do estômago, que estava bem danadinho e mau humorado naquele dia. Minha mãe teve até que fazer uma panqueca para eu sossegar e ficar calminha, calminha. Após o episódio, inclusive, pensei até em escrever a minha própria versão do livro "Quem mexeu no meu queijo?".

Bom, e agora que compartilhei este fato inútil e menosprezível de minha existência explico o "porquê" de fazê-lo, um motivo bem justo por sinal: a cada dia que passa, o ser humano perde o controle dos sentimentos e saí por aí descontando nos outros sua insatisfação pessoal. Se não concorda comigo, acesse agora mesmo o seu perfil no Facebook - se não tiver ainda, pode ser no Google+, no Twitter, no Orkut ou olhe pela janela - e veja o quanto o povo age como se não houvesse o amanhã e fica transferindo a busca pela eterna felicidade a terceiros. Transformam seu descontentamento com algo em um motivo para causar a discórdia no mundo, para culpar o outro por sua insatisfação pessoal...

Não seria mais fácil assumir a culpa de que você não está bem e que ninguém tem nada a ver com isso, hein? A carne é fraca e a da panqueca é ótima, mas isso não é motivo para desrespeitar o próximo em atitudes que só prezam pelo próprio umbigo. A irritação pessoal não pode prejudicar as outras pessoas. Eu mesma, como todo ser humano repleto de defeitos, tenho me policiado - e muito! - e lutado para ter mais calma, serenidade e a fazer da paciência a minha aliada, sobretudo para aceitar o que não posso mudar, como o apetite do meu pai. Só quero ver se isso vai funcionar a próxima vez que a panqueca não estiver no forno, mas tudo bem. Perder a esperança é o que não se pode, vale a pena tentar!