Mostrando postagens com marcador Filmes; Crônicas?. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Filmes; Crônicas?. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Sorrindo à la Amélie Poulain...

Dona Monalisa que me perdoe, mas se há um sorriso muito mais enigmático e que reflete sua percepção ou sentimento em qualquer tipo de situação, qualquer tipo mesmo, este só pode ser o de Amélie Poulain. Você pode até não conhecê-la ou não ter ideia de quem possa ser esta nobre criatura – a Mona é bem mais popular, convenhamos -, mas nem por isso precisa ir correndo ao Google e bater o dedinho do pé no batente da porta pela pressa-curiosa para saber ou ver quem é esta tal fulaninha e como é seu sorriso, pois a resposta está mais próxima do que se pode imaginar. Dúvida? Vamos lá!

Pense num momento em que ficou com uma vergonha alheia tão absurda e que precisava disfarçar seu desconforto ou então numa situação em que você está ouvindo tanta besteira daquele chato de galocha que nem pode responder, para não se prejudicar ou prejudicar outras pessoas. Se ficar difícil imaginar isso, então recorde aquele dia em que o céu estava lindo e você ficou feliz ou  abriu a geladeira, comeu com fúria o último doce maravilhoso que estava lá e, ainda lambendo seus lábios, alguém chega e pergunta: aonde está o doce que tinha deixado separado aqui? E você, descaradamente, diz: não sei, que doce era? Também vale aquele dia no qual você ligou o rádio e lá estava sua música predileta tocando ou quando você ouviu uma frase super engraçada na conversa acalorada na mesa ao lado e não pôde rir por estar num almoço sério de negócios.

Pois bem, não importa a situação. Quando realmente não podemos manifestar os sentimentos da forma que desejamos ou quando estamos bastante desconfortáveis, envergonhados e não podemos transparecer lá surge ele, ao lado direito ou esquerdo ou nos dois cantos da boca, o bendito sorriso da Amélie. Eu disse que não precisaria pesquisar no Google para entender o sorriso da moça, pois ele transparece em todos nós como uma manifestação misteriosa que quer se mostrar e se esconder ao mesmo tempo, como uma expressão em que nossos lábios ficam sem controle e se distendem ligeiramente, aquela coisa sem graça ou com graça.

Seja branco ou amarelo, frouxo ou largo, com aparelho ou sem: sempre há momentos e motivos para sorrimos à la Amélie Poulain (até rimou!). E o melhor é que nem precisamos ser a Audrey Tautou para fazer isso...