Mostrando postagens com marcador Infância. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Infância. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Amor de avó é tudo de bom!

Seja qual fora a hora, se você chegar na casa dela imediatamente uma mesa cheia de delícias se materializará na sua frente, com quitutes que nem uma aula avançada de spinning é capaz de eliminar da cintura e das pernocas depois. E o pior – ou melhor – é que ela conhece exatamente o que você mais gosta de mandar para dentro e aprimorou, ao longo dos anos, o preparo dos itens para poder agradá-lo, leitor. E se ela não sabe fazer não se preocupe: ou ela aprende de tanto praticar ou ela compra o melhor que há e o deixa na dispensa para servir para você assim que for visitá-la. Afinal, ela é maestra em nos surpreender e verdadeiramente ganha o dia se consegue.
 
Se não bastasse ter nos conquistado pelo estômago, também teve a nossa máxima confiança conquistada ainda na infância, quando com muito jeitinho conseguia – ou tentava, pelo menos – nos livrar daquela baita surra merecida após ter aprontado alguma por aí e sua mãe ou pai terem visto a arte. Tudo bem que comigo não funcionava e eu tinha que arcar com as palmadas (minha mãe era decidida na punição), mas até hoje se formos levar uma bronca ela tenta nos livrar; tenta fazer com que nenhum mal chegue perto. Até a carne, se deixar, ela vai querer cortar no nosso prato ou soprar a sopa ou leite para que não queimemos a língua. Parece absurdo, mas não é para ela.  

Não importa se temos dois, onze, 28 ou 36 anos ou mais, sempre seremos os queridinhos e protegidos. Na casa dela, aliás, toda limonada é mais doce, todo bolo é quentinho, todo cobertor é macio, todo cachorro é pentelho, toda conversa é gostosa e até o filme da sessão da tarde é mais divertido. Não sei o que acontece, se é um dom de Deus ou se nossos pais aprimoraram muito – e muito mesmo! – a paciência dela, mas amor de avó é tudo de bom e sempre será. E por ser tão bom, acredito que amor de avó deveria ser regulamentado, virar Lei, ser prática da ISO, manual da ABNT  de boas práticas à vida. Uma política de direitos humanos ou um patrimônio universal da humanidade, não importa, amor de avó deveria ganhar um feriado internacional. Afinal, ela não merece ter apenas um dia celebrativo, comemorado em 26 de julho, mas todos os dias do ano.

Amor de avó deveria, de verdade, ter até uma terminologia própria no dicionário, mas enquanto isso não acontece, amor de avó para mim é representado em sua totalidade nos nomes Maria e Mercedes. Nomes que representam dois seres humanos fantásticos com os quais tive o prazer de crescer e de conviver e viver até hoje, graças a Deus! Duas mulheres que não se parecem em nada com a imagem esteriotipada que busquei no Google para ilustrar este post, mas que me motivam e que me ensinam, até hoje, coisas boas da vida e que me instigam a querer retribuir todo esse amor. E assim espero, ter aprendido tudo para também fazer o mesmo quando eu puder comemorar o Dia da Avó lá em 26 de julho num ano distante...

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

O primeiro Gradiente realmente não se esquece...

Olha eu aí, com três anos, em plena forma, fazendo pose para foto e com a mão na cintura. Nesta época já gostava de ter franja, infelizmente usava conjuntinho combinandinho e sandália estilo gladiadora, destas que vendem a rodo na Arezzo ou na Empório Naka e que hoje tenho horror.

É legal recordar que a única preocupação que tinha, na época desta foto, era se  poderia levar meu pastor Lobo (Popou para os íntimos) para passear ou se teria que dormir à tarde obrigada pela minha mãe, que insistia que o sono da tarde era tão importante quanto o da noite, para que eu fosse uma criança feliz. Entretanto, tente explicar para uma pessoa de três anos que o sono é mais legal que enterrar o Lango-lango no quintal da sua avó? Enfim...

E como toda criança das décadas de oitenta e noventa também tinha meus sonhos impossíveis, que, neste caso, era um gravador todo colorido, com microfone e que dava para levar para qualquer lugar. Nem sabia que se chamava Meu primeiro Gradiente, mas queria muito tê-lo e, mesmo assim, não contava essa minha vontade para ninguém (característica que sempre foi muito forte em mim).

Passei noites e noites sonhando com a possibilidade de ter meu próprio microfone e poder cantar à vontade aquelas músicas que faziam parte do repertório da fita K7 que vinha junto, nem uma Barbie era tão desejada por mim. Aliás, queria ter aquele microfone para brincar de perguntar, da mesma forma que umas moças faziam na televisão. Para suprir essa necessidade, pegava uma colher na cozinha da minha avó, ia ao quintal e ficava conversando com meu pastor capa preta por várias horas; digamos que o Popou sempre foi um bom entrevistado e ouvinte, um companheiro que me faz falta até hoje.

Algum tempo passou, a brincadeira tornou-se a minha predileta e meus avós perceberam que a colher precisava ser substituída por outra coisa. Resolveram dar, enfim,  Meu primeiro Gradiente num dia das crianças chuvoso e frio, simplesmente igualzinho a este 12 de outubro. E este dia foi tão feliz que o guardo até hoje, bem pertinho de mim, para não me esquecer por nada como era bom ser criança!

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

De volta ao túnel do tempo...

Podem até falar que é mal da época, mas isto não é verdade. Sou do tipo que se emociona fácil e fica chorona do nada, só de lembrar do avô ou recordar algumas épocas tão boas. Talvez seja por isso que constantemente falo sobre minha infância aqui e de coisas que realmente marcaram este período. Na maioria das vezes lembro por conta própria, já em outros momentos vivo situações que me fazem recordar daquela época de alguma forma.

Hoje, por exemplo, foi um dia que fui levada ao passado. À tarde tentava achar algo para assitir, acompanha pela chuva de Natal, e na Band estava passando "Punky, a levada da breca". Acho que há tempos não desligava da vida e prestava tanta atenção em algo. Me senti com, sei lá, uns 8 ou 10 anos de idade na casa da minha avó Mercedes, numa típica manhã de sábado. Era exatamente este programa que assistia enquanto esperava minha mãe voltar do mercado, sentadinha e quietinha no sofá da minha avó, ao lado do meu avô que infelizmente já faleceu.

Posso dizer que hoje assisti o episódio inteirinho sem pensar em nada. Só voltei à realidade quando tocou a musiquinha de encerramento e fiquei com aquela coisa ruim na garganta, vontade de deixar as lágrimas correrem sem medo pelo rosto. Senti falta de quem já foi e de quem eu era também, sem preocupoações e encanações bobas.

Agora deixo as lágrimas à vontade, é muito bom recordar...


Como não encontrei a vinheta de encerramento da Punky, postei aqui a de abertura mesmo. Quem quiser matar a saudade...

sexta-feira, 21 de março de 2008

Infância (des)controlada

Juca jogava bola todos os dias. Corria para lá e para cá com a pelota debaixo do braço chamando os vizinhos para participar. Sempre brincava de esconde-esconde e toda vez queria ser o último a correr ao pique e gritar ‘Salvo o mundo’, para que todos os que haviam sido pego antes voltassem à brincadeira. Não gostava nada nada de brincar de ‘rei da rua’, pois achava muito mais divertida a idéia de salvar o mundo.

Os anos passaram, a bola e o esconde-esconde ficaram para trás. As mulheres passaram a ser mais interessantes e o estudo virou prioridade. Juca começou a trabalhar e formou-se em engenharia. De fato, queria construir algo melhor, mas os projetos eram bem mais limitados a prédios e construções públicas. Nada mais de salvar o mundo. Havia crescido.

Casou-se aos 30 anos e após dois anos Matheus nasceu. Muito dedicado, sempre quis estar presente na vida do filho - também seria uma ótima oportunidade para recuperar todas aquelas brincadeiras de criança. Mas as coisas mudaram bastante. Matheus não gostava de jogar bola, preferia matar seres mitológicos. Também não gostava de brincar de esconde-esconde, era bem mais interessante brincar com personagens virtuais, gostava de controlar suas vidas.

Foi então que Juca percebeu que salvar o mundo não parece tão interessante para a nova geração, que adora ficar horas e horas na frente da TV ou do computador, até jogam bola lá. Eles não chamam mais os vizinhos no portão para brincar na rua, preferem se reunir em algum programa de conversação eletrônico. Tudo é feito on-line.

Por pouco pensa que tudo está descontrolado e perdido, mas logo ri e pensa: será que eles vão crescer com vontade de controlar as pessoas? A resposta é imediata: tomara que não! Juca espera que pelo menos o filho tenha boas recordações de seu tempo de infância, assim como tivera, e que arranje uma namorada à moda antiga, e não pela internet.