Postagens

Vai uma bolacha aí?

Há uns 18 anos estava no sítio do antigo namorado da minha tia Renata e chegaram lá com um aparelho muito estranho e um disquinho pequeno, que mais parecia um espelhinho com várias cores engraçadas e um furo bem no meio. Ao saberem da novidade, umas pessoas que estavam no estúdio pararam a música, abriram a porta e foram falar sobre os novos objetos. A novidade me foi apresentada como o futuro da música. Falavam que o disquinho estranho substituiria as grandes bolachas escuras que tocavam no aparelho de som da minha avó, que ficava na grande sala perto da rua. Diziam também que era muito mais duradouro, tinha um som limpo e nem era preciso limpar a agulha para escutá-lo, ela não seria necessária. Um deles chegou a dizer que era uma tendência e que as bolachas não teriam mais vez.Nesta época eu passava bastante tempo na sala perto da rua, sempre acompanhada pelas músicas de um tal filme Philadelphia, pelo disco que tinha na capa uma criança triste e um U e 2 bem grandes e por um outro …

Será que eu vou ficar para a titia?

Não sei se você já passou por uma situação desta, mas nos últimos nove meses vários amigos(as) resolveram subir ao altar e disseram sim aos seus companheiros(as). Novos candidatos à mudança de estado civil também não param de surgir em uma velocidade recorde e tornou-se rotina encontrar com alguém que logo diz: Viu, sabe Fulano? Acredita que casou com não sei quem?. O duro é que a pergunta, na maioria das vezes, sempre vem acompanhada por: E até quando o seu namorado vai te enrolar, hein?.No começo achei engraçado, até porque meu namorado e eu decidimos nos casar mais para frente e estamos felizes assim; não queremos dividir, pelo menos por enquanto, o mesmo guarda-roupa. Desta forma, ninguém enrola ninguém na história. Mas o que me causa um certo desconforto é que só fico imaginando o que muitos pensam na hora de me fazer esta pergunta. Com certeza a frase que fica estampada no pensamento é: Será que esta daí vai ficar para a titia?!.

Aquela canção...

Ao ouvir as primeiras notas você começa a lembrar-se do dia que tomou muita chuva, em uma tarde qualquer, e gostava de sentir o gelado das gotas escorrendo pelo rosto e por todo o corpo. Aquela água fria fazia com que você se sentisse vivo mesmo que, dias depois, muito resfriado.
Basta um novo acorde para que seu braço fique todo arrepiado. Sua barriga congela e você sente um leve calafrio na espinha. Até parece a sensação do seu primeiro beijo e não é o da época da escola, mas aquele quente, molhado, estranho e com gosto de descoberta, dado de surpresa por aquela pessoa que você nem esperava. É o mesmo arrepio que será buscado a cada novo beijo ganhado ou em novas bocas beijadas.
O ritmo passa a ditar o sentido aos movimentos e ao pensamento; é impossível não se deixar levar. Os olhos fecham e sua mente cria o cenário ideal para vivenciar aqueles versos cantados, que seguem cautelosamente o ritmo de cada instrumento e de cada batida. As endorfinas estão a todo vapor e o sorriso, mesmo…

Que ideia foi essa...

A atualização de algumas regras de ortografia da nossa querida língua portuguesa vão além das paroxítonas com ditongos abertos e tremas. O texto abaixo do jornalista Fernando Molica aborda esta "adequação", que não resume-se apenas à mudança de nossos hábitos ortográficos.
O AI-5 ortográfico Por Fernando Molica, em 30 de dezembro de 2008.
Hoje, no Jornal Nacional, o Pasquale Cipro Neto ressaltou um aspecto fundamental nesta questão da reforma ortográfica: ela tem um custo. O custo de todos os livros que ficarão desatualizados, o custo dos corretores ortográficos dos programas dos computadores. E há mais custos, como o custo sentimental, a sensação de se reconhecer mais velho, desatualizado, fora do tempo. O mundo me chega pela língua. O idioma é também o instrumento com o qual tento, pelo menos, me fazer entender. E, daqui a poucas horas, este instrumento será mudado. O pouco que se sei será menos ainda.
Escrevo ao lado de uma estante que ocupa toda uma parede. Quantos livros h…

Essa aqui vai para o meu Orkut...

Se há algo nesta vida que me faça rir todos os dias este "algo" é o Orkut. Muitas vezes já pensei em deletá-lo ou esquecê-lo por um tempo, mas é praticamente impossível. Basta eu digitar meu login e senha para que eu lembre porque não consigo desligar deste bendito site de relacionamentos: adoro observar as pessoas tentando mostrar e/ou sustentar pelas fotos aquilo que na maioria das vezes elas não são, sempre plastificadas pelo photoshop. Tudo bem, que atire a primeira pedra quem nunca tirou uma foto e disse: "Ai, essa aqui vai para o meu Orkut!". Até esta pessoinha de 1,57 que vos escreve já fez isto e não faz muito tempo. É ridículo você pensar em tirar uma foto só para colocá-la lá, com o único intuito de mostrar como você fica linda(o) naquela pose no banheiro, na piscina, vestido de Zorro no zoológico, mostrando o bumbum na mesa de bilhar ou como seu nariz diminui quando você tira foto fazendo biquinho. Aliás, se há uma coisa que não falta no Orkut são as fot…

Um sonho de Cinema Paradiso...

A paixão de Alan pelo cinema começou bem cedo. Aos 7 anos, ao entrar na sala escura, seus olhos encheram de lágrimas e mal podia acreditar na imagem que via naquela tela enorme; achava que os cavalos do filme estavam bem atrás dela. Havia ficado encantado com a possibilidade de ver inúmeras histórias, bem à sua frente.
E como uma boa criança de 7 a 10 anos, Alan colocou na cabeça que deveria ter um cinema só dele. Descobriu na cidade na qual morava um homem que tinha um projetor e, por acaso, era pai de um amigo seu. Durante um bom tempo tentou negociar com o tal homem a venda do equipamento e, após várias tentativas, o pai de seu amigo enfim vendeu a aparelhagem para o jovem garoto, pois não aguentava mais tanta insistência.
Mas ele ainda não estava contente. Já mais crescidinho comprou uma nova casa e conseguiu toda a aparelhagem que precisava trabalhando como jornalista e cantor. Começou então a deixar o portão de sua casa aberto para que todos pudessem entrar e assistir suas relíq…

De volta ao túnel do tempo...

Podem até falar que é mal da época, mas isto não é verdade. Sou do tipo que se emociona fácil e fica chorona do nada, só de lembrar do avô ou recordar algumas épocas tão boas. Talvez seja por isso que constantemente falo sobre minha infância aqui e de coisas que realmente marcaram este período. Na maioria das vezes lembro por conta própria, já em outros momentos vivo situações que me fazem recordar daquela época de alguma forma.
Hoje, por exemplo, foi um dia que fui levada ao passado. À tarde tentava achar algo para assitir, acompanha pela chuva de Natal, e na Band estava passando "Punky, a levada da breca". Acho que há tempos não desligava da vida e prestava tanta atenção em algo. Me senti com, sei lá, uns 8 ou 10 anos de idade na casa da minha avó Mercedes, numa típica manhã de sábado. Era exatamente este programa que assistia enquanto esperava minha mãe voltar do mercado, sentadinha e quietinha no sofá da minha avó, ao lado do meu avô que infelizmente já faleceu.
Posso di…

Você já tocou uma guitarra imaginária?

Aposto que alguma vez na vida você deve ter simulado que tocava uma guitarra inexistente. Calma, não precisa ficar com vergonha! Ao contrário do que você possa imaginar muitas pessoas fazem a mesma coisa e algumas até participam de campeonatos realizados em outros países. Sim, existem competições de "tocadores de guitarra imaginária" (este não é o melhor termo, mas vou utilizá-lo mesmo assim).
Com o objetivo de entender melhor o que era isso, conversei com algumas pessoas que entendem do assunto. As respostas que obtive estão na minha matéria Acordes imaginários, que disponibilizo aqui. O tema me surpreendeu muito, principalmente após a entrevista com Fausto Carraro, o cara que mais entende de air guitar no Brasil. Além de muito simpático e paciente, praticamente me ensinou a entender o que é tocar uma guitarra imaginária e como funcionam os campeonatos.
Para saber mais sobre air guitar leia a matéria abaixo. Ela já foi escrita há bastante tempo, mas quem sabe você se anima …

24 primaveras e uma vida toda pela frente...

Adoro fazer aniversário, mas a véspera sempre é estranha. Dá aquela sensação de que você deixou para trás sentimentos e amizades e, ao mesmo tempo, ganhou novos amigos, passou a encarar a vida de outra forma e vê tudo com mais maturidade que no passado. Entretanto, também dá aquela sensação de insegurança boba por ficar cada dia mais velhinha, ainda mais quando se é uma mulher. No fundo você nem quer dar bola para aquilo, mas é inevitável já não começar a pensar em se cuidar mais porque as rugas são implacáveis e não vão tardar para aparecer. Você até passa a querer aproveitar a cor natural do seu cabelo porque os fios brancos já começaram a dar sinal de vida. Além disso, começa a contagem regressiva para ficar cada vez mais difícil de eliminar os quilinhos extras.Credo, eu escrevi isso aí em cima mesmo? Acho que estou pensando igual a uma mulher de uns, sei lá, 25 anos?!? Quanta besteira! Nem completei ¼ de século ainda e não posso perder meu tempo pensando que daqui a pouquinho meu …

Me deixa ser a primeira, por favor?????

Era uma vez uma criança bem birrenta que queria ser a primeira em tudo. Bastava estar entre as irmãs para tentar ser a primeira a falar algo, a primeira a dar uma idéia e a primeira a escolher a brincadeira. Para esta criança tudo o que importava era estar na frente, principalmente se batesse ou conseguisse se antecipar a irmã do meio e a mais velha. Enfim, queria ser a primeira a qualquer custo.
O problema é que ela raramente conseguia estar no primeiro lugar. Nos jogos sempre era a terceira, às vezes até a segunda, mas quase sempre estava na terceira posição. Na realidade fazia de tudo para assumir o posto da primogênita: saia por aí falando mal da irmã mais velha e da segunda irmã, vivia afirmando que era melhor que elas, chorava, fazia drama, comédia, apelava em diversas situações e até mentia que estava próxima de chegar onde desejava.
Ainda hoje, apesar de crescer um pouco mais a cada dia, não consegue enxergar o próprio umbigo e continua a fazer drama e sensacionalismo para cha…