Postagens

Sorrindo à la Amélie Poulain...

Imagem
Dona Monalisa que me perdoe, mas se há um sorriso muito mais enigmático e que reflete sua percepção ou sentimento em qualquer tipo de situação, qualquer tipo mesmo, este só pode ser o de Amélie Poulain. Você pode até não conhecê-la ou não ter ideia de quem possa ser esta nobre criatura – a Mona é bem mais popular, convenhamos -, mas nem por isso precisa ir correndo ao Google e bater o dedinho do pé no batente da porta pela pressa-curiosa para saber ou ver quem é esta tal fulaninha e como é seu sorriso, pois a resposta está mais próxima do que se pode imaginar. Dúvida? Vamos lá!
Pense num momento em que ficou com uma vergonha alheia tão absurda e que precisava disfarçar seu desconforto ou então numa situação em que você está ouvindo tanta besteira daquele chato de galocha que nem pode responder, para não se prejudicar ou prejudicar outras pessoas. Se ficar difícil imaginar isso, então recorde aquele dia em que o céu estava lindo e você ficou feliz ouabriu a geladeira, comeu com fúria o …

O verdadeiro galo da madrugada...

Imagem
Estava lá, num sono gostoso e profundo, quando comecei a ouvir um galo cantar todo animado. Na minha cama, de pijamas, quentinha e não entendendo muito bem se era parte do sonho maluco que estava tendo ou realidade, ouvia o bendito galo cantar sem parar. Até levantei para ver que horas eram, pois o bichinho estava tão afinado que só deveria estar dando boas-vindas a um novo dia com sol e céu claro.
Para minha surpresa, porém, o sol estava longe de aparecer: eram 2h30 da matina, em plena sexta-feira,  17 de agosto de 2012, e o bichinho a cantar sem parar. Do outro lado da história, eu, que estava desfrutando do sono profundo e fui surpreendida com tanta cantoria, querendo recuperar e voltar ao sonho maluco e ao soninho gostoso. Contudo, o galo continuou por muito tempo com seu repertório; o mesmo tempo, aliás, que eu levei para voltar a dormir.
Durante os demorados minutos em que o galo cantor dava seu show particular em algum quintal perto de minha casa, comecei a me lembrar ensonada…

Ficando feliz por nada novamente...

Imagem
Há períodos em nossas vidas nos quais não nos identificamos com absolutamente nada. E nesta fase, caro leitor, tudo costuma ser sem graça, pois não há nada que nos tire da mesmice de sempre e da rotina chata. Nestes tempos difíceis nenhum barzinho tem a coxinha que gostamos, nenhum livro é digno de nossa atenção na prateleira da livraria, nenhuma banda consegue criar uma nova canção que nos agrade, nenhum prato de comida se torna objeto de nosso desejo, nenhuma fotografia consegue nos emocionar, nenhum filme consegue entrar para a lista dos mais queridos, nenhum assunto é digno de se tornar uma crônica e – pasmem, sobretudo os seres do sexo feminino – nem as vitrines das lojas de sapatos e roupas em promoção de 80% conseguem nos entreter e nos fazer abrir as carteiras.
E quando isso acontece, a falta de identificação com algo complicado ou simples, ficamos mal humorados, chatos e repulsivos. Sim, chatos de galocha, daqueles que não queremos perto nem hoje e nem nunca, que não sorriem…

O surto da panqueca...

Imagem
Há quem já tenha perdido o controle com uma fechada no trânsito, com a falta de comprometimento de alguém ou com conversa paralela no cinema. Há também quem já tenha perdido as estribeiras com cliente folgado, com o atendente mau educado ou com o atraso de entrega do item comprado pela internet. Conheço até uma pessoa que rodou a baiana porque disseram que ela tinha o braço gordo e gente que briga pela vez no aparelho de musculação na academia, mas confesso que até hoje não tive o prazer de conhecer mais alguém que tenha surtado por causa de uma inocente panqueca. E, sim, por uma pequena panqueca, fria e um dia passada (pelo menos era de carne!). 
Sinto-me até envergonhada por compartilhar este momento tão mesquinho, infantil e egoísta de minha vida adulta, mas já armei um circo em casa, xinguei meio mundo e quase registrei um boletim de ocorrência só porque meu pai - que é pouco esganado, só para registro, mas que o amo mesmo assim - foi lá e mandou para dentro a bendita panqueca qu…

Minha forma de celebrar o 20 de julho...

Imagem
No decorrer de nossas vidas conhecemos muita gente. Gente legal, gente estranha, gente exótica, gente chata, gente mentirosa, gente chique, gente preguiçosa, gente engraçada, gente alta, gente magra, gente carinhosa, gente que fala errado, gente verdadeira, gente atrasada, gente que leva pimenta no bolso, gente que vê bonecos se mexerem sozinhos (!!!), gente gorda, gente torta, gente baixa, gente quieta, gente que só por Deus, gente animada, gente míope, gente divertida, gente convertida, ou seja, gente de tudo quanto é jeito. Adjetivos realmente não faltam quando o assunto é conhecer gente, desde o momento em que damos nosso primeiro suspiro e assim também será até o último.
Contudo, o engraçado é que em poucos casos – pouquíssimos mesmo, os verdadeiros costumam ser  raríssimos – tem gente que deixa de ter um dos tantos adjetivos existentes e que distribuímos em julgamentos por aí e se transformam em um substantivo feminino ou masculino, só depende do gênero da “gente”. Neste moment…

Somente para as mulheres...

Imagem
Se você é homem já logo adianto e o aviso: não continue a ler este texto, pois escrevo hoje exclusivamente às mulheres e sobre algo que tenho certeza que já nasce conosco, que está no DNA feminino. Além do mais, é sobre um assunto que, quase sempre, é algo que não o interessa e realmente não quero que perca seu tempo. Agora, leitoras queridas (se houver mais que uma por aí), realmente se eu fosse vocês continuaria a ler este post até o fim, pois se o texto não lhe servir de nada e/ou se não for de seu agrado, prometo que, pelo menos, a dica de leitura será boa e proveitosa. 
Muito bem, chéries, agora vamos lá, vamos falar sobre aquilo que nos deixam ouriçadas e que, tenho certeza, desperta nossa atenção sempre (em umas mais e em outras menos, mas sempre desperta). Falo hoje sobre uma palavra curta, composta por duas sílabas - duas vogais com duas consoantes - e que parece sempre música boa aos nossos ouvidos: moda. Sim, senhoras e senhoritas, essa palavrinha mágica que mesmo sendo tão …

A verdadeira cena romântica...

Imagem
Sei que o Dia dos Namorados é celebrado em 12 de junho. Também já sei que a data já passou e que não consigo fazer com que o romantismo seja uma característica pessoal. Sinceramente, nem ligo muito para este tipo de comemoração, mas não há como não ser envolvida indiretamente neste "climão" típico, que norteia as festividades comerciais e que paira sobre os coraçõezinhos que enfeitam as lojas por aí. Este "climão", aliás, tem feito com que ultimamente eu me lembre sempre de uma cena que, para esta pessoa que vos escreve, transparece o que realmente deveríamos celebrar no dia dos namorados: nada pode ser tão ruim assim quando temos a felicidade de compartilhar, lado a lado, momentos diversos com a pessoa amada. Nem que a pessoa que está ao seu lado no elevador tente matá-lo(a) - é isso mesmo - esta cena, que completa é bastante forte e dá até aflição, resume em gestos concretos o que o amor pode ser, em sua totalidade!    


Nossa trilha sonora de cada dia...

Imagem
Já percebeu que às vezes - no meu caso, todos os dias - vários momentos vividos na rotina diária ganham uma trilha sonora especial e pessoal, até não dividida por ficar somente no pensamento, com músicas que decidem tomar conta de nossas mentes do nascer ao por do sol ou até mesmo no decorrer na semana? Pode ser aquele maledeto "tchereretchetche", aquela canção da galinha magricela (sim, aquela mesmo que bota um, que bota dois e que bota três...) ou, ainda, aquela musiquinha gostosinha que toca na rádio e que você nem lembra a letra e nem sabe de qual banda é.
Não importa, o ser humano tem esse incrível dom de assimilar a música com vivências e mesclar experiências com ritmos e letras, que casam exatamente com cada situação. E com base neste breve comentário, digo que hoje estou bem assim, igual a música da Mallu Magalhães. Confesso que não me simpatizo muito com ela, mas esta canção realmente me conquistou e até me inspirou na escolha do vermelho para a cor do meu batom hoje…

Mulher mais clássica que isso não deve ser possível...

Imagem
Agora são exatamente 22h29. Na TV Globo acabou de começar aquela porcaria do Big Brother, no canal do Silvio Santos o rato faz a festa e na Bandeirantes o CQC mostra a escalada aos telespectadores, chamando à presença do Pânico. Contudo, a programação da televisão brasileira - graças a Deus - não é o motivo deste pequeno relato, caro leitor, até porque há muito tempo a deixei para lá. Peguei emprestado o computador da minha mãe, neste  horário no qual eu geralmente já estaria entregue às maravilhas do sono profundo,  porque não pude conter a satisfação de realmente desfrutar de um um momento único e que celebra a feminilidade escondida ou aflorada em cada uma das mulheres que habitam este mundão a fora. 
E olha que não estou falando de ter comido um baita pedaço de chocolate ou uma bela trufa de maracujá na semana que antecede à famosa e temida TPM. Refiro-me, na realidade, ao melhor filme típico de mulherzinha que já vi. Juro que nunca pensei que poderia existir uma exemplificação tã…

O eterno orgulho da mãe...

Semaninha brava, conturbada e amarga a passada, daquelas que deveriam cair no esquecimento. Mas quando, caro(a) leitor(a), pensei que tudo o que estava ruim poderia piorar ainda mais, surgiu um motivo que ofuscaria todos os problemas daqueles dias anteriores e os transformariam em algo insignificante e do passado. Na verdade, foi apenas uma atitude somada a quatro pequenas palavras, separadas por uma vírgula, que transformaram a minha semana em algo que realmente valeu a pena. Deixe-me explicar melhor...

Sexta-feira, após às 18 horas e fazendo mais uma hora extra depois de dias desastrosos. Estava na reinauguração de uma escola pública, cheia de adolescentes e a cerimônia estava quase concluída, quando um menino de uns 13 anos, ao receber uma medalha pelo excelente desempenho que teve em uma olimpíada de matemática de abrangência nacional, olhou para a mãe dele e disse ali, na frente de muitos adolescentes: "Mãe, eu te amo!", mostrando-se bastante emocionado e depois a abra…